(+351) 93 144 04 73

Setup Menus in Admin Panel

Iridologia Clínica e Comportamental

“Os olhos são o espelho da alma”

Na consulta de iridologia, e para além das habituais perguntas – relativamente ao atual estado de saúde e queixas relevantes, profissão, ritmo de trabalho, dieta, funcionamento intestinal, qualidade do sono, rotina de exercício físico, ocupação de tempos livres, relacionamentos – o iridologista utiliza equipamentos tão diversos como lanternas, lentes de aumento, câmaras ou lâmpadas de fenda para efectuar um exame detalhado da íris. Através da observação de desenhos, raios, buracos, pontos ou mudanças de cores, o iridologista compara essas zonas da íris com gráficos que mostram a sua zona correspondente no corpo humano. Regra geral, as “tabelas ou mapas da íris” dividem esta em cerca de 90 zonas distintas. Diz-se, não raras vezes, que os “olhos são o espelho da alma” e, no caso da iridologia, não só se aplica (nomeadamente no diagnóstico de perturbações emocionais), como vai mais além, uma vez que as alterações refletidas na íris são ainda um espelho das perturbações físicas de determinado órgão ou sistema.

Para além de uma detecção precoce de sintomas físicos, a iridologia vai mais longe: a observação da íris permite ainda determinar os processos de aprendizagem da pessoa, a forma como se expressa, como se relaciona com aqueles que a rodeiam, os seus pontos de stress, se é introvertida ou extrovertida, que tipo de profissional é, se sofreu algum trauma e em que idade… o que permite um tratamento eficaz de distúrbios emocionais e psicológicos.

Categorias: , ,

Descrição

Iridologia Clínica e Comportamental

Brevemente em Lisboa e Porto

CURSO CERTIFICADO

Diagnosticar através dos olhos:

Na medicina natural e alternativa, a iridologia é uma forma de diagnóstico realizada através da observação da íris, uma das estruturas mais complexas do corpo humano. Os historiadores apontam para a existência desta prática já na antiga China e Grécia, tendo sido divulgada e aperfeiçoada com mais afinco desde o século XVII.

Através da análise da íris, é possível fazer um check-up do nosso estado de saúde, descobrindo eventuais desequilíbrios. O corpo transmite à íris, através de sinais, marcas, alterações de cor e de padrões, um quadro clínico físico e/ou emocional da pessoa em questão. Uma técnica holística que permite “olhar para dentro do corpo” e verificar o funcionamento do organismo, descobrir quais as zonas mais fortes e quais aquelas que estão sobrecarregadas com toxinas. Porém, importa esclarecer que a análise iridológica não determina se uma pessoa sofre de determinada doença, mas alerta para a existência de alguma instabilidade ou inflamação nesse órgão. Apresenta-se, acima de tudo, como um método de diagnóstico precoce e de prevenção, revelando a origem do mal-estar físico, psíquico ou emocional.

“Os olhos são o espelho da alma”

Na consulta de iridologia, e para além das habituais perguntas – relativamente ao atual estado de saúde e queixas relevantes, profissão, ritmo de trabalho, dieta, funcionamento intestinal, qualidade do sono, rotina de exercício físico, ocupação de tempos livres, relacionamentos – o iridologista utiliza equipamentos tão diversos como lanternas, lentes de aumento, câmaras ou lâmpadas de fenda para efectuar um exame detalhado da íris. Através da observação de desenhos, raios, buracos, pontos ou mudanças de cores, o iridologista compara essas zonas da íris com gráficos que mostram a sua zona correspondente no corpo humano. Regra geral, as “tabelas ou mapas da íris” dividem esta em cerca de 90 zonas distintas. Diz-se, não raras vezes, que os “olhos são o espelho da alma” e, no caso da iridologia, não só se aplica (nomeadamente no diagnóstico de perturbações emocionais), como vai mais além, uma vez que as alterações refletidas na íris são ainda um espelho das perturbações físicas de determinado órgão ou sistema.

Para além de uma detecção precoce de sintomas físicos, a iridologia vai mais longe: a observação da íris permite ainda determinar os processos de aprendizagem da pessoa, a forma como se expressa, como se relaciona com aqueles que a rodeiam, os seus pontos de stress, se é introvertida ou extrovertida, que tipo de profissional é, se sofreu algum trauma e em que idade… o que permite um tratamento eficaz de distúrbios emocionais e psicológicos.

De onde vem a iridologia?

A história diz-nos que, milhares de anos antes de Cristo, já os chineses e os tibetanos relacionavam as alterações e as marcas dos olhos com as perturbações ou anomalias dos órgãos internos. Os filósofos da antiga Grécia, incluindo o pai da medicina moderna Hipócrates, atestaram esta sabedoria milenar em vários trabalhos escritos que foram encontrados, juntamente com outros, no famoso centro de estudos de medicina do século IX, a Escola de Salerno. No entanto, a primeira obra publicada com informação sobre a iridologia e os seus princípios surge em 1665, pela mão de Phillipus Meyeus que lhe atribuiu o título “Chiromatica Medica”. Um pouco mais tarde, em 1695, a iridologia tem direito a um livro inteiro, com a publicação de “Os olhos e os seus sinais”, de Cristian Haertls.

Porém, a palavra “Augendiagnostik”, que significa precisamente “diagnóstico do olho”, surge apenas no século XIX, graças ao médico húngaro Ignatz von Péczely. Reza a história que em criança, Ignatz von Péczely terá tratado de uma coruja com uma pata partida, tendo descoberto, na mesma altura, um sinal ou uma espécie de linha na íris da coruja, que foi desaparecendo à medida que a sua pata se curava. Uma “coincidência” que o médico húngaro aplicou no seu quotidiano profissional e que o levou a elaborar o primeiro mapa iridológico.

Apesar de muito polémico na altura e alvo de duras críticas, houve muitos seguidores de Ignatz von Péczely: o alemão que descobriu e descreveu novos sinais iridológicos, levando-a fundar o Instituto Felke no século XX; Bernard Jensen, um quiroprata que difundiu a iridologia nos Estados Unidos, aperfeiçoou o mapa iridológica e deu aulas sobre esta e outras terapias naturais. Seguiram-se muitos outros estudiosos da iridologia, caso de P. Johannes Thiel e Eduard Lahn (germânicos), Adrian Vander (espanhol), Daniele Lo Rito (italiano), Celso Batello e Maria Aparecida dos Santos, (brasileiros), e Denny Johnson (norte-americano).

É a este último investigador que se deve o desenvolvimento de dois importantes métodos aplicados à iridologia – o “Rayid-ray” (“raio”) e o “id” (“subconsciente”) – que permitem a identificação de personalidades, tendências e relacionamentos de atracão e rejeição, através da simples observação da íris.

O Curso

Duração: 6 Meses
Aulas um fds por mês das 10.00 às 13.00h e das 14.00 às 18.00h

Aulas presenciais e praticas em grupos reduzidos, acesso a documentação e dossiers on line.

No final de cada seminário estará apto a implementar no seu dia a dia as técnicas apreendidas.

Objetivo

Divulgar uma técnica, simples e eficaz, de diagnóstico pela observação da íris. Esta técnica de diagnóstico permite conhecer a constituição geral e parcial do indivíduo, bem como os estágios evolutivos das patologias (agudo, sub agudo, crônico e degenerativo) que acometem um ou mais órgãos, ou o organismo como um todo.

Público Alvo

Curso indicado para todas as pessoas da área de saúde ou a quem possa interessar.

Programa

Modulo I

IRISDIAGNOSE

É uma ciência-arte cujo método propedêutico permite, através da observação da íris, conhecer num dado momento, a constituição geral e parcial do indivíduo, bem como os estágios evolutivos, agudo, sub agudo, crônico e degenerativo das alterações que acometem um ou mais órgãos, ou o organismo como um todo.

Programa:

Histórico
Anatomia e Fisiologia do Olho
Técnica para leitura da Íris
Teoria Vibratória
Constituições Iridológicas
Fisiopatologia dos Sinais Iridológicos
Densidade da Iris
Classificação das Cores das Fibras da Iris
Sinais Iridológicos
Leis da Polaridade
Mapas da Íris
Áreas Gerais da Íris
Identificação dos Sistemas e suas Patologias.

Modulo II

IRIDOLOGIA COMPORTAMENTAL

Esta técnica de diagnóstico permite conhecer a constituição geral bem como as alterações comportamentais, psicológicas e mentais do indivíduo, podendo ser observado até mesmo a fase intra-uterina.

Programa:

Apresentação do método Rayid
Estruturas básicas
Direções de fluxos
Polaridades
Tipos de personalidades
Melhor compreensão do indivíduo (família, genética)
Padrões de relacionamento
Tipos de tratamento

Certificado de Formação Profissional

A frequência e consequente aprovação no presente Curso, em virtude do Instituto de Medicina Natural – Biosymbiosis, estar Certificado pela DGERT – Direcção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho confere um Certificado de Formação Profissional emitido como previsto no SNQ – Sistema Nacional de Qualificações e Portaria nº 474 de 2010, registado na Plataforma SIGO – Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa. (Ministério da Educação)

Todos os Cursos lecionados pelo Instituto de Medicina Natural, estão de acordo com a Lei vigente, os Certificados são emitidos pela plataforma SIGO Todos os dados relativos à Formação e qualificação, ficam registados na caderneta CIC.

As nossas Formações possibilitam aos formandos a obter contagem do número de horas de formação previstas no Código de trabalho.

Formadora

Dra. Lúcia Onélia Oliviéri

30 anos de experiência em Medicina Tradicional Chinesa, especializada pelo “International Acupuncture Training Center”, na China. Formação em Biomedicina, Homeopatia, Fitoterapia, Iridologia, Florais e Bioenergética. Fundadora do Instituto Oliviéri.

Contactos

Rua Dr. Carlos Cal Brandão 32,
4050-160 Porto
41.157267, -8.623629

(+351) 226 093 810
(+351) 931 440 473
geral@instituto-medicina-natural.pt

2ª a 6ª Feira
10h às 13h e 14h às 18h

Facebook

top
Política de Privacidade e Cookies | © Biosymbiosis 2017. All rights reserved. Webdesign by Indian Rose
X